22/11/2013

Por que não negociar com os EUA? / Marcos Troyjo

Aturdida com crescente isolamento e erosão da competitividade, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) propõe negociações para um acordo de livre-comércio com os Estados Unidos.

Asfixiada pelo custo Brasil, cerceada pelo imobilismo e pequena escala do Mercosul, a indústria quer acesso privilegiado ao principal mercado comprador do mundo. Os EUA importam US$ 2,8 trilhões por ano. Só 1% disso vem do Brasil.

Historicamente avessa a acordos dessa natureza, a indústria parece conscientizar-se de que os riscos de pactos comerciais com EUA e Europa podem ser comparativamente pequenos. Pior é alicerçar parcerias econômicas em afinidades ideológicas de ocasião e num romântico latino-americanismo. Ou iludir-se com desfechos milagrosos nas rodadas da OMC.

Nosso Ministério do Desenvolvimento logo tratou de jogar água fria. Informou não prever conversações com os EUA. O Brasil estaria focado na concretização de um acordo Mercosul-União Europeia.

O desdém faz lembrar comentário de graduado integrante do Planalto em março último.

Questionado sobre a posição do país ante o mega-acordo comercial entre EUA e UE, a vigorar em 2015, o palaciano afirmou: "O Brasil acompanha as tratativas sem a afobação de um subordinado".

Melhor no entanto termos pressa. E claro que negociar com a Europa também é bem-vindo --embora o Brasil tenha esperado anos até usar o seu peso relativo no Mercosul para retomar a conversa com Bruxelas

Tanto Mercosul como UE demandam, contudo, processo de consulta a dezenas de países-membros. Alguns, como Argentina e França, carregam conhecido histórico de manobras protelatórias.

E a negociação agrícola, área sensível -- e indispensável -- de um acordo entre esses dois blocos, não apresenta hoje menos entraves do que há dez anos.

Por que então não começar igualmente uma negociação com os EUA? Não fazê-lo só pode representar falta de gente, vontade ou visão.

Entre os milhões de funcionários do Estado no Brasil, não conseguiríamos destacar contingente para tratar com os EUA?

Nos últimos dez anos, o Brasil relegou seus interesses comerciais nos EUA a segundo plano. Enquanto China e outros emergentes exponenciaram vendas, nosso comércio com os EUA teve crescimento pífio.

Em 1985, vendíamos US$ 7 bilhões por ano. Os chineses, US$ 3,5 bilhões. Em 2013, os EUA terão comprado cerca de US$ 30 bilhões do Brasil. Já a China fechará o ano com exportações aos EUA de mais de US$ 400 bilhões.

O escândalo da espionagem é exemplo de grossas e condenáveis barbeiragens dos EUA contra o Brasil e outros parceiros tradicionais. E hoje as relações entre Brasília e Washington estão estressadas.

Não buscar, porém, formas preferenciais de ingresso num mercado de US$ 16 trilhões é falta de visão. Por mais distantes dos EUA em termos de simpatias ideológicas, os chineses sabem pragmaticamente separá-las de seus interesses nacionais. Deveríamos fazer o mesmo.

MARCOS TROYJO, economista e cientista social, é professor da faculdade Ibmec e diretor do BRICLab na Universidade Columbia

Fonte: Folha de S. Paulo, 22 de novembro de 2013

 

Agenda+

Agenda // Cursos e Eventos

HUB SPTW: NEGÓCIOS COM A AMÉRICA LATINA

Realização: São Paulo Tech Week 
Cidade: São Paulo
Data: 25/11/2019
Horário: 13h45-14h45
Local: SPACES Berrini - Rua Irmã Gabriela, 51, Cidade Monções - São Paulo, SP

INSCREVA-SE
Vagas Limitadas - Evento Gratuito

Seminário Logística e Contratos Internacionais em Tempos de Transformação Digital

Realização: VGP Advogados
Cidade: São Paulo
Data: 27/11/2019
Horário: 14h00 ás 18h00
Local: Biblioteca Alceu Amoroso Lima - Rua Henrique Schaumann, 777, Pinheiros - São Paulo, SP

INSCREVA-SE
Vagas Limitadas - Evento Gratuito

Mais lidas